[Turismo] Cidade do Sol. Veja Mais Sobre Natal – RN

Conhecida como a “Cidade do Sol”, Natal tem belas praias, esquibunda e passeios de dromedário

Esquibunda (ou sandboard) com piscina, aerobunda na lagoa, passeios de bugue e de dromedário. Quem escolhe Natal como destino vê as formas de lazer e aventura se ampliarem do mar para as dunas. O turismo transformou as montanhas móveis de areia de Genipabu e arredores em parquinhos de diversões.

Requintes como sombra sob tetos de palha, trenó para subir as dunas, parafina na prancha, mergulho ao final da descida e até fotografias enviadas diretamente para o hotel compõem, por exemplo, a estrutura do Esquibunda do Cícero, nas dunas de Jacumã. Perto dali, em Ceará Mirim, o aerobunda na lagoa de Jacumã movimenta centenas de bugueiros e atendentes nos ingressos, cabos, trenós e jangadas para recolher os banhistas.

E há ainda os dromedários, sempre com aquele ar superior dos que, em outra encarnação, possivelmente no deserto do Saara, já carregaram árabes mais legítimos. Num lugar onde os moradores sabem mostrar em qual duna foram gravadas cenas de novelas, a fantasia convida a vestir turbantes antes de se acomodar na corcova do dromedário.

É um riso só. A menos que a sua coluna cervical não tolere os sacolejos, o passeio é imperdível. E pagável: mas leve dinheiro, que cartões de crédito sobre a areia combinam melhor com a Arábia Saudita.

Capital do Rio Grande do Norte, Natal tem este nome porque foi fundada no dia 25 de dezembro de 1599, dois anos depois de iniciada a construção do Forte dos Reis Magos. A fortaleza continua firme, com as mesmas dimensões que recebeu no início do século 17, e merece ser visitada, na Praia do Forte.

Na ponta oposta da orla, ao sul da cidade, está a praia de Ponta Negra, onde se hospeda a maior parte dos turistas. A infra-estrutura ali é relativamente recente, numa cidade com mais de 400 anos de história. A região começou a se desenvolver nos anos 80, não parou mais e atualmente congrega a porção mais badalada de bares, restaurantes e casas noturnas.

Quem se hospeda na Ponta Negra leva a vantagem da proximidade de Parnamirim, cidade vizinha, com atrações como o maior cajueiro do mundo e as belas praias de Cotovelo, Pirangi, Búzios e Tabatinga, mais rústicas, menos urbanas.

O cajueiro de dimensões colossais tem cerca de 110 anos de vida e ainda produz até três toneladas de caju por safra. Em 1955, a revista Cruzeiro definiu o fenômeno como uma “sinfonia inacabada”, de “galhos lançados em progressão geométrica”. Em 1994, o cajueiro entrou para o Guiness Book. Percorrer a vasta sombra, com galhos brotando da terra a todo instante, dá a sensação de ingressar numa floresta, de uma árvore só.

As cidades ao sul de Natal também são caminho para a praia de Pipa, a 85 km de distância, um dos pontos mais famosos do litoral potiguar, graças à sofisticação que os serviços de lá, de pousadas e restaurantes, adquiriram na última década.

Para 2008, está prometida a inauguração do Parque da Cidade de Natal, projeto de Oscar Niemeyer com torre e mirante de altura equivalente a um prédio de 18 andares. Vai dar para enxergar até os bugues de Genipabu dali. E também os dromedários! No final de 2007, a capital inaugurou a monumental Ponte de Todos, sobre o rio Potengi, que liga a Praia do Forte à zona norte e proporciona, do alto dos mirantes, uma paisagem de cores espetaculares no pôr-do-sol.

Dicas a considerar, antes de fazer as malas: em Natal, algumas distâncias são longas e os táxis são caros, praticamente uma exclusividade dos turistas. Da Praia dos Artistas até Ponta Negra são quase 15 km, por exemplo. Alguns restaurantes e casas de shows, como o forró do Centro de Turismo, oferecem traslado. Sobre os passeios de bugue, é mais seguro contratar os credenciados nas agências locais de turismo. E ande com dinheiro: uma queixa freqüente dos visitantes é a falta de caixas eletrônicos e de lojas que aceitam cartão.

Natal também é uma capital de ladeiras íngremes diante de suas praias principais. A parte boa do esforço físico é que volta e meia o marzão verde e azul surge de repente diante dos olhos, um horizonte límpido, raramente nublado, fazendo jus ao título de “Cidade do Sol”.

[Fonte: UOL Viagem]

[Turismo] Por Que Visitar Rio Grande do Norte?

Por Que Visitar Rio Grande do Norte?

O que atrai tantos gringos e jovens ao Rio Grande do Norte é uma invejável combinação de fatores. O primeiro é o solar. O estado tem 300 dias de sol por ano, provavelmente muito mais do que um dinamarquês veria durante toda a sua vida nórdica. O segundo é a mistura fantástica de encostas com falésias, baías de águas calmas com piscinas naturais e praias com ótimas ondas para surfe. A diversão começa na capital, Natal, que fica ali onde o mapa do Brasil faz a curva para oeste. Com dunas, bugues, lagoas e o ar mais puro do continente, a cidade faz jus ao apelido de parque de diversões, a nossa Disneylândia. Ali o turista que se preza aprende a dançar forró, descobre o que quer dizer a palavra esquibunda na Lagoa de Jacumã, visita o Forte dos Reis Magos e vai conferir o maior cajueiro do mundo, em Pirangi. Depois, come camarão, bebe caipifruta e aprende que descer as dunas de Genipabu de bugue pode ser mais excitante que andar de montanha-russa.Bem perto, rumo ao sul, outros quatro destinos atraem cada vez mais gente: Búzios, Cunhaú, Baía Formosa e Tibau do Sul, onde fica a espetacular Pipa, a principal praia natalense e “dona” da noite mais animada do litoral acima de Recife. Para o outro lado, no litoral norte, duas praias se destacam pela beleza: Galinhos e São Miguel do Gostoso, que todo mundo chama de Gostoso. Precisa dizer mais alguma coisa de um lugar com esse nome?

[Fonte: Viaje Aqui]

[Turismo] O Que Você Sabe Sobre Natal – RN?

Natal é um município brasileiro, capital do estado do Rio Grande do Norte, pertencente à Região Metropolitana de Natal, à microrregião de Natal, à mesorregião do Leste Potiguar e ao Pólo Costa das Dunas. A cidade nasceu as margens do rio Potengi e do Forte dos Reis Magos, no extremo-nordeste do Brasil numa região chamada “esquina do continente” distante a 2.507 quilômetros de Brasília. É conhecida como a “Cidade do Sol” ou “Noiva do Sol” por ser uma das localidades com o maior número de dias de sol no Brasil, chegando a aproximadamente trezentos. Também a chamam de “Capital Espacial do Brasil” devido às operações da primeira base de foguetes da América do Sul, o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno no município limítrofe de Parnamirim.

Capital menos violenta do Brasil, décima-quarta cidade mais segura do Brasil, e terceira cidade com melhor qualidade de vida do Norte-Nordeste, é a vigésima-primeira cidade mais populosa do país, onde detinha em 2008, uma população de 798.065 habitantes (ou 1.255.409 milhão, contando a região metropolitana). Atrai aproximadamente um pouco mais de um milhão e meio de turistas ao ano por dotar de muitas praias e belezas naturais e também por sediar a maior micareta do país, o Carnatal; o que faz com que a cidade se configure como a oitava cidade mais visitada por turistas do Brasil (dado de 2005), e a cidade mais visitada por portugueses. O município foi eleito pela Aviesp (Associação das Agências de Viagens Independentes do Estado de São Paulo) como melhor destino turistico do Brasil em 2007, e também é uma das cidades com o maior número de leitos turisticos do Brasil, sendo aproximadamente 28 mil.

Fundada num dia de Natal, em 25 de dezembro de 1599, o nome do município tem origem do latim natale e, segundo escritores, tem ligação direta com a data de fundação da cidade. Duas teses para o fundador da cidade: a primeira diz que o sítio primitivo da cidade foi demarcado por por Jerônimo de Albuquerque no dia 25 de dezembro de 1599. Outra tese, é que um capitão chamado Manuel de Mascarenhas, chegou aqui com a missão de construir um forte e uma cidade para que assim fortalecesse a posição de Portugal e afastasse qualquer possibilidade de invasão. A cidade também teve grande importância durante a Segunda Guerra Mundial em 1942 durante a Operação Tocha, já que os aviões da base aliada americana se abasteciam com combustivel no lugar que hoje é o Aeroporto Internacional Augusto Severo, sendo classificada como “um dos quatro pontos mais estratégicos do mundo” pelo Departamento de Guerra dos EUA, junto com Suez, Gibraltar e Bósforo.

É o trigésimo-nono maior PIB municipal da nação, sendo que sua econômia não se resume só no turismo, mas também no comércio, indústria e construção civil, tanto que foi eleita a quarta melhor cidade do Nordeste para se trabalhar e a capital do Nordeste em que se paga melhor a um trabalhador em um emprego formal no Nordeste do Brasil tendo também o quinto maior poder de compra por parte da população no Brasil. É terra do folclorista Luís da Câmara Cascudo e do poeta Ferreira Itajubá, possuindo monumentos históricos como o Teatro Alberto Maranhão e a Coluna Capitolina Del Pretti, ambos no Centro Histórico de Natal, além de outras atrações como a Ponte Newton Navarro, o maior cajueiro do mundo, o Parque da Cidade e praias como Ponta Negra, Genipabu e Pipa.

[Turismo] Belíssimas Praias em Natal – RN

Natal – Rio Grande do Norte

Falésias, rios que desembocam no mar e mangues vibrantes de vida natural complementam o espetáculo que transforma a capital do Estado do Rio Grande do Norte numa das principais opções turísticas brasileiras. Em Natal é possível curtir mais de 300 dias de sol por ano, uma temperatura média de 26ºC e lindas praias que convidam à descontração e ao banho de mar. Dunas brancas emolduradas por coqueirais, águas claras e mornas, tudo ali conspira para que a estada na cidade seja a mais agradável possível. Ademais, seus quase 700 mil habitantes desfrutam de excelente infra-estrutura urbana. Os turistas – que chegam a mais de 500 mil por ano – são acolhidos por um bom aeroporto internacional, uma rede hoteleira qualificada e uma estrutura de equipamentos e serviços que se destaca no panorama turístico da Região. Mas Natal não atrai apenas pelas belezas de suas praias. O Parque das Dunas – segundo maior parque urbano do País – é um dos programas que, aos poucos, vem ganhando espaço na programação dos numerosos visitantes. Lá encontramos trilhas, pista para caminhadas e várias alternativas de lazer para adultos e crianças. Outro grande atrativo da capital potiguar é a rica culinária: carne de sol, paçoca de pilão, queijo de manteiga, e pratos preparados à base de frutos do mar compõem um cardápio formado pela criatividade de seu povo. Conhecida por Cidade do Sol, Natal é uma terra que desperta paixão pelo aconchego do seu povo e por suas paisagens paradisíacas. Tudo isso espera por sua visita. Venha, e vire fã!

[Fonte: Brazil Tour]

[Turismo] Lugar Encantador. Barra de Cunhaú – RN

No município de Canguaretama, a 75 km de Natal, fica localizada uma das mais belas praias do litoral sul do Rio Grande do Norte.

Vila de pescadores, com sua paisagem constituída por manguezais, enseadas e praias de mar aberto, Barra do Cunhaú é dotada de uma beleza selvagem e tranqüila. Suas águas têm um tom mais escuro, meio esverdeado, e suas enseadas de águas têm a temperatura ideal para um banho refrescante (a media anual da temperatura do mar é de 26°).

O mar é banhado pelo rio Curimataú, que pede um passeio de barco, com cenários de mangues e rica biodiversidade.

Conta com uma pequena, mas eficiente, estrutura de restaurantes e pousadas (destaque para Solimar e Punto Massimo, ótimos restaurantes).

Barra do Cunhaú agrega à sua paisagem uma vasta área de carcinicultura (criação de camarão em cativeiro) sendo uma das principais contribuintes para a liderança do Estado na exportação de camarão.

[Turismo] Natureza Maravilhosa em Rio do Fogo – RN

Natureza Maravilhosa em Rio do Fogo – RN

Rio do Fogo está entre as praias menos exploradas do litoral Norte potiguar. O que não significa que a cidade não tenha atrativos. São lagoas, parrachos, mata preservada, falésias, dunas e tranquilidade de sobra. O clima de vila de pescadores ainda persiste, apesar de o município já somar cerca de dez mil habitantes.

Barra do Punaú: Ponto de encontro do rio com o mar é concorrido ao por do sol

Barra do Punaú: Ponto de encontro do rio com o mar é concorrido ao por do sol

Praias do Zumbi e da Pitinga são points de mergulho, vela e canoagem

Um dos mais belos cenários é a Barra de Punaú, ponto de encontro do rio com mar e perfeito para apreciar o pôr do sol. As águas escuras do riacho dividem as praias de Zumbi – selvagem e colorida por conta dos barquinhos de pesca – e de Pititinga. Protegidas e com piscinas naturais, ambas são procuradas para a prática de mergulho, vela e canoagem. Já na praia que dá nome à cidade, o destaque é a lagoa do Fogo.

O passeio completo pela região deve incluir caminhadas rumo às aldeias de pescadores. Nas vilas, observa-se a riqueza do artesanato local, com delicadas peças em renda labirinto. Aproveite para saborear os frutos do mar fresquinhos, acompanhados por comida caseira.

[Fonte: Férias Brasil]

[Turismo] Praia de Sibaúma – RN

Praia praticamente selvagem, quase inabitada. Cercada por Falésias, conta com mar aberto e calmo na maré baixa e agitado quando a maré sobe.

Como é uma praia deserta, vale cuidado redobrado com o mar.

Na região há também um raro espetáculo, chamado de meral, que é o encontro das águas do Rio Curimataú com as águas do Rio Cunhaú. Confira ainda a pesca artesanal, as salinas e a Escola Agrícola da EMPARN (Empresa Agropecuária do Rio Grande do Norte).