[Turismo] Muitas Belezas em Arraial d’Ajuda – BA

Arraial d’Ajuda – BA

Descoberto pelo movimento hippie na década de 70, o Arraial d´Ajuda ganhou fama internacional com sua simplicidade elegante. A ocupação desordenada transformou ruas e becos em trilhas entre o mar e a mata. Seduzidos por uma atmosfera especial, aventureiros dos mais diversos países chegaram e se estabeleceram, transformando o Arraial na “esquina do mundo”, como é conhecido. Seus 12 km de litoral estão entre os mais bonitos da costa brasileira. As falésias beiram o mar e os recifes formam piscinas naturais de água morna. As praias do Apaga-Fogo, Araçaípe, Mucugê, Pitinga e Taípe variam entre desertas ou muito freqüentadas, com coqueiral ou vegetação de restinga, muita gente jovem e badalação. Do alto de uma falésia, o Arraial d´Ajuda oferece uma panorâmica da Costa do Descobrimento e tem um discreto charme que encanta e reúne tribos do mundo inteiro. São ruas estreitas sem calçamento, pousadas pequenas e aconchegantes, rústicas e muito confortáveis, restaurantes charmosos e construções de bom gosto. O estilo de vida no Arraial foge completamente dos padrões normais de comportamento. A moda é livre e descontraída. Nas galerias e mini shoppings – que começam a funcionar no final da tarde e só fecham por volta da meia-noite – é comum fazer compras de biquini ou ir à boate de short. O horário da praia vai além do pôr-do-sol, com muita aula de lambaeróbica. O almoço é ajantarado e quando se pensa que a vila vai dormir, as pessoas se enfeitam e vão para luaus na praia de Mucugê, com exibições de capoeira e maculelê, e a noite só termina quando o sol nasce.

[Fonte: Brasil Viagem]

[Turismo] Península de Maraú – BA

Piscinas naturais e praias quase desertas fazem da Península de Maraú (BA) um refúgio imperdível

A Península de Maraú fica na Costa do Dendê, ao sul da Bahia, entre Morro de São Paulo e Itacaré. Só pela referência aos dois paraísos naturais vizinhos já é possível imaginar a riqueza das paisagens e ecossistemas da região.

São mais de 40 km de praias praticamente desertas o ano todo. Mesmo no verão, quando as pousadas ficam lotadas, as praias parecem vazias porque os turistas se dispersam pela vasta costa coberta de coqueirais.

Na maré baixa formam-se dezenas de piscinas naturais, lotadas de peixes, que surgem entre labirintos de arrecifes. Aliás, é importante consultar diariamente a tábua de marés porque as paisagens são capazes de se transformar completamente com as mudanças da lua e das marés.

A praia de Taipu de Fora é considerada uma das mais belas do Brasil porque tem uma piscina natural de um quilômetro de extensão com peixes de todas as cores. No verão, são feitos mergulhos com lanternas para observar a fauna marinha noturna. Já no inverno, as chuvas são mais freqüentes, mas os passeios acontecem normalmente e os períodos de lua nova e lua cheia, quando a maré está seca, são ideais para o mergulho.

Barra Grande é a maior vila da península e ainda preserva a simplicidade caiçara, apesar de abrigar as principais pousadas, bares e restaurantes da região.

Em quase todas as praias há pousadas com veículos 4×4, lanchas, catamarãs e bom atendimento, que organizam passeios para toda a região. Um dos mais conhecidos é feito de barco pelas ilhas da península. Ao chegar na ilha do Sapinho para o almoço, a melhor pedida é o guaiamum, um caranguejo azul catado na hora. Outro passeio famoso é para a bela cachoeira do Tremembé, a única no Brasil que deságua no mar. O barco chega tão perto da queda que é possível tocá-la antes de desembarcar.

A península pertence à APA (Área de Proteção Ambiental) Maraú, unidade de conservação de uso sustentável da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica no sul da Bahia, que possui uma série de leis de preservação da natureza.

A cidade que dá nome à região fica ao sul da península, longe das praias. Foi fundada em 1705 por frades italianos que se instalaram na aldeia indígena de Mayra-hú e preserva a igreja, casas coloniais e as ruínas de uma usina de querosene do século 19.

[Fonte: UOL Viagem]

[Turismo] Beleza é na Costa do Sauípe – BA

Costa do Sauípe – Bahia

O primeiro complexo de resorts do Brasil fica a pouco mais de cem quilômetros de Salvador. Na Costa do Sauípe estão cinco hotéis gigantescos, com estrutura de primeira e praia deserta em frente. Cada um tem seus restaurantes e suas piscinas e, juntos, dividem uma estrutura de lazer com spa, centros náutico, de golfe, equestre e de tênis. Outro atrativo é o Sauípe Eco Parque, uma reserva de 66 hectares de Mata Atlântica com trilhas para a prática de atividades como caminhada, cavalgada e ciclismo em meio a trilhas. Há ainda lagoas para passeios de caiaque bosques de sucupira, açaí, mangueiras, caju, pupunha e ipês.

No centro do empreendimento fica a Vila Nova da Praia, um centrinho comercial com fachadas inspiradas na arquitetura colonial baiana. Por lá, estão bares, cafés, restaurantes, lojinhas de artesanato e pousadas. Todas as noites, a praça da vila vira palco para apresentações e shows.

Quem não está hospedado no complexo pode passar o dia na vila e na praia salpicada de coqueiros, rochas na areia e ondas para surf – mas é preciso pagar uma taxa de permanência. Já para curtir as atividades dos resorts, paga-se à parte. No Centro Náutico há surf, caiaque, vela, pedalinho, water bike, tirolesa, passeio de barco e pesca. No Tennis Center dá para jogar tênis, paddle, squash, basquete, vôlei e futebol de salão. Aulas de equitação, cavalgadas nas dunas, na praia ou na mata, passeios de pônei ou charrete e ordenha de vacas podem ser feitos no Centro Equestre.

[Fonte: Férias Brasil]

[Turismo] Conheça a História de Caraíva / BA

Sem automóveis, celular ou qualquer outro artefato de luxo que lembre a vida moderna – a exceção é a luz elétrica, que chegou em meados de 2007 -, Caraíva parece parada no tempo. Escondida em uma península no Sul da Bahia, é um destino perfeito para se entregar à arte de relaxar e não fazer absolutamente nada – ou melhor, passear de barco, caminhar pelas praias e, como ninguém é de ferro, esbaldar-se até altas horas em um animado forró!
O estilo rústico do vilarejo, que tem ruas de areia e é acessível apenas depois de cruzar um rio em pequenas embarcações, é seu grande charme. As casinhas coloridas que se espalham pelas vielas abrigam modestas pousadas, bares e restaurantes que ganham movimento no verão e no mês de julho, quando Caraíva é invadida por jovens de nacionalidades diversas. No restante do ano, a paz reina absoluta.

Aldeia de Barra Velha tem praia e índios Pataxós

Uma vez na região, aproveite para conhecer a aldeia de Barra Velha, onde vivem índios Pataxós. Dá para ir a pé, a cavalo ou de barco, sempre apreciando os coqueirais e as falésias avermelhadas. E não deixe de fazer um passeio de canoa pelo rio Caraíva, de preferência para apreciar o pôr-do-sol.

[Fonte: Férias Brasil]

[Turismo] Conheça Arraial d’Ajuda / BA

Arraial d’Ajuda – BA

Arraial D'Ajuda

Descoberto pelo movimento hippie na década de 70, o Arraial d´Ajuda ganhou fama internacional com sua simplicidade elegante. A ocupação desordenada transformou ruas e becos em trilhas entre o mar e a mata. Seduzidos por uma atmosfera especial, aventureiros dos mais diversos países chegaram e se estabeleceram, transformando o Arraial na “esquina do mundo”, como é conhecido. Seus 12 km de litoral estão entre os mais bonitos da costa brasileira. As falésias beiram o mar e os recifes formam piscinas naturais de água morna. As praias do Apaga-Fogo, Araçaípe, Mucugê, Pitinga e Taípe variam entre desertas ou muito freqüentadas, com coqueiral ou vegetação de restinga, muita gente jovem e badalação. Do alto de uma falésia, o Arraial d´Ajuda oferece uma panorâmica da Costa do Descobrimento e tem um discreto charme que encanta e reúne tribos do mundo inteiro. São ruas estreitas sem calçamento, pousadas pequenas e aconchegantes, rústicas e muito confortáveis, restaurantes charmosos e construções de bom gosto. O estilo de vida no Arraial foge completamente dos padrões normais de comportamento. A moda é livre e descontraída. Nas galerias e mini shoppings – que começam a funcionar no final da tarde e só fecham por volta da meia-noite – é comum fazer compras de biquini ou ir à boate de short. O horário da praia vai além do pôr-do-sol, com muita aula de lambaeróbica. O almoço é ajantarado e quando se pensa que a vila vai dormir, as pessoas se enfeitam e vão para luaus na praia de Mucugê, com exibições de capoeira e maculelê, e a noite só termina quando o sol nasce.

[Fonte: Brasil Viagem]

[Histórico] Suma Importância Histórica na Bahia

Natureza e História em Santa Cruz Cabrália / BA

Santa Cruz Cabrália - BA

Em abril acontecem as comemorações do Descobrimento do Brasil em Santa Cruz Cabrália.

Apresentações musicais e teatrais retratam os principais acontecimentos de 1500 e a primeira missa realizada em solo nacional, nas areias de Coroa Vermelha.

As terras de Santa Cruz Cabrália presenciaram a chegada dos primeiros navios lusitanos no litoral brasileiro. Marcada pela história, Cabrália guarda até os dias de hoje traços da cultura portuguesa, como a divisão da cidade em duas partes. O casario colonial datado de 1535 atrai os visitantes ao Centro Histórico, onde podem ser vistas, ainda, a bela Igreja de Nossa Senhora da Conceição e a Casa de Câmara e Cadeia. Juntamente com Porto Seguro e Prado, Santa Cruz Cabrália compõe a Costa do Descobrimento. No local, pode-se conhecer o inovador Museu Aberto do Descobrimento, que se estende por 130km. Praias, vales e trilhas formam o cenário para a exposição permanente de acidentes naturais e riquezas urbanas que contam parte da história brasileira. Cabrália também ficou conhecida por ter sido escolhida para a celebração da primeira missa do Brasil, em 26 de abril de 1500. Na praça principal em frente à praia de Coroa Vermelha, uma cruz de 13 metros de altura e 5 metros de comprimento esculpida em aço inox homenageia o histórico dia. Todos os anos, no mês de abril, o local também é palco para as comemorações pelo descobrimento do Brasil. Quem quiser conhecer um pouco mais da história de Santa Cruz Cabrália não pode deixar de visitar o Museu do Índio, onde uma exposição permanente retrata o modo de viver dos índios da região, com seus rituais, músicas e danças. No local existe ainda uma biblioteca e um espaço para apresentações culturais. As praias de Santa Cruz Cabrália são ideais para quem quer fugir da badalação. Águas calmas e límpidas, coqueirais e a formação de diversas piscinas naturais cativam o visitante em busca de sossego. Em muitos pontos da costa, é possível praticar o mergulho e conhecer as riquezas do fundo do mar. A época ideal para mergulhar por ali é entre dezembro e março, quando as águas estão com temperatura amena e ótima visibilidade. Os lugares mais indicados são os parques marinhos de Recife de Fora e da Coroa Alta, onde peixes coloridos, tartarugas e outras espécies marinhas podem ser vistas com nitidez.

[Fonte: Portal Brasileiro do Turismo]

[Turismo] Toda a Beleza de Lençóis / BA

Lençóis – Bahia

Rio Pratinha - Lençóis / BA

Visitar Lençóis, portal de entrada da Chapada Diamantina e cravado no centro do estado da Bahia, é como visitar um mundo à parte. O encantamento com cenários só vistos mesmo por lá pode levar a uma grande viagem ao centro de si mesmo. A busca aos diamantes, que deu nome à região hoje foi substituída por quem quer presenciar algumas das maiores maravilhas naturais do mundo. Os tropeiros foram substituídos por outro tipo de aventureiros.

Sinta-se flutuando em poços de águas límpidas e refresque-se em cachoeiras cristalinas e troque experiências com outros trilheiros à noite, pra decidir o que fazer no dia seguinte. São mais de 40 trilhas em 152 mil hectares para todos os tipos de aventureiros, com uma coisa em comum: paisagens que fazem cair o queixo.

[Fonte: Ministério do Turismo]