[Turismo] Lugar Encantador. Barra de Cunhaú – RN

No município de Canguaretama, a 75 km de Natal, fica localizada uma das mais belas praias do litoral sul do Rio Grande do Norte.

Vila de pescadores, com sua paisagem constituída por manguezais, enseadas e praias de mar aberto, Barra do Cunhaú é dotada de uma beleza selvagem e tranqüila. Suas águas têm um tom mais escuro, meio esverdeado, e suas enseadas de águas têm a temperatura ideal para um banho refrescante (a media anual da temperatura do mar é de 26°).

O mar é banhado pelo rio Curimataú, que pede um passeio de barco, com cenários de mangues e rica biodiversidade.

Conta com uma pequena, mas eficiente, estrutura de restaurantes e pousadas (destaque para Solimar e Punto Massimo, ótimos restaurantes).

Barra do Cunhaú agrega à sua paisagem uma vasta área de carcinicultura (criação de camarão em cativeiro) sendo uma das principais contribuintes para a liderança do Estado na exportação de camarão.

[Turismo] Natureza Maravilhosa em Rio do Fogo – RN

Natureza Maravilhosa em Rio do Fogo – RN

Rio do Fogo está entre as praias menos exploradas do litoral Norte potiguar. O que não significa que a cidade não tenha atrativos. São lagoas, parrachos, mata preservada, falésias, dunas e tranquilidade de sobra. O clima de vila de pescadores ainda persiste, apesar de o município já somar cerca de dez mil habitantes.

Barra do Punaú: Ponto de encontro do rio com o mar é concorrido ao por do sol

Barra do Punaú: Ponto de encontro do rio com o mar é concorrido ao por do sol

Praias do Zumbi e da Pitinga são points de mergulho, vela e canoagem

Um dos mais belos cenários é a Barra de Punaú, ponto de encontro do rio com mar e perfeito para apreciar o pôr do sol. As águas escuras do riacho dividem as praias de Zumbi – selvagem e colorida por conta dos barquinhos de pesca – e de Pititinga. Protegidas e com piscinas naturais, ambas são procuradas para a prática de mergulho, vela e canoagem. Já na praia que dá nome à cidade, o destaque é a lagoa do Fogo.

O passeio completo pela região deve incluir caminhadas rumo às aldeias de pescadores. Nas vilas, observa-se a riqueza do artesanato local, com delicadas peças em renda labirinto. Aproveite para saborear os frutos do mar fresquinhos, acompanhados por comida caseira.

[Fonte: Férias Brasil]

[Turismo] Um Pouquinho de Maxaranguape – RN

Maxaranguape – Rio Grande do Norte

Maxaranguape - RN

Maxaranguape - RN

O rio corta o vilarejo de Maxaranguape e foi às margens dessas águas que o povoado surgiu. Para os visitantes, vale apreciar a beleza do encontro do rio com o mar ou, ainda, conhecer a Árvore do Amor, um curioso abraço dos troncos de duas gameleiras.
A Barra de Maxaranguape é procurada para a prática de pesca e é ótima também para banho de mar nas águas, calmas devido à presença dos recifes ao longo de toda a extensão.

Maxaranguape reúne belezas naturais a um importante marco geográfico: o ponto mais próximo da África de  todo o continente, o Cabo de São Roque. Na Praia de Maracajaú, os passeios de barco levam aos Parrachos, excelentes para o mergulho. Em Maxaranguape, o rio corta o vilarejo e adentra o mar, num cenário de rara beleza.
Possui águas cristalinas e é excelente para prática de mergulho e snorkeling. Em seus famosos parrachos, deslumbrante recife de corais encontrados a 7 km da costa, podem ser admiradas centenas de espécies da rica e colorida fauna e flora oceânica, formando um maravilhoso aquário natural. São 13 km2 de área para você mergulhar, com profundidades que variam de 1,0 a 4,0 metros na baixa mar. Maracajaú também possui dunas, lagoas e é cenário ideal para uma longa e tranqüila caminhada. É uma ótima opção para quem quer relaxar, curtir a natureza, conhecer um lugar aconchegante, seguro e deslumbrante do jeitinho que Deus deixou.

A barra é uma praia agradável pra quem gosta ou tem vontade de conhecer Pipa. Por que as duas fazem o mesmo “estilo”. Tanto com relação às Falésias, quanto com relação à temperatura da água, que é mais baixa.
É também uma das praias mais limpas do RN. Lá também tem um santuário ecológico, parecido com o de Pipa, que é todo voltado pras espécies de vegetação do local, já que possui uma variedade impressionante.
A praia é boa pra quem procura “sossego”‘, quem quer ficar um pouco afastado de tudo, pois é semi deserta.

- Karolyne S. Lins

No início da praia é possível ver o encontro do rio Maxaranguape com o mar. O interessante é que a água do rio continua doce, mesmo com o avanço do mar. Em toda a extensão da praia estão espalhadas pelo chão conchas e pedrinhas que dão um colorido especial ao lugar. Possui também piscinas naturais em alto mar (cerca de 4 milhas da costa). O passeio de barco é bastante procurado pelos freqüentadores, que podem, na maré baixa, passar até 12 horas nos Parrachos com direito a encontrar até ‘grama’ por lá. Aproveitando a parada do terminal, os turistas podem encontrar um pouco mais à frente, o limite de Barra com Caraúbas, o farol, o Cabo se São Roque e as gameleiras do amor. O primeiro poderia ser considerado uma atração convencional, mas sua vista panorâmica da praia se torna especial. Já o Cabo, que é famoso por ser o ponto do país mais próximo da África, atrai inúmeros visitantes. As gameleiras do amor são duas árvores que se uniram formando uma só. Exóticas, são apreciadas por todos. Para os jovens, veranear a gosto de agitos, os pontos de encontro é a pracinha e os bares.

[Turismo] Santuário Ecológico de Pipa / RN

Santuário Ecológico de Pipa – RN

Mapa - Santuário Ecológico de Pipa

O Santuário Ecológico de Pipa é uma área preservada da Mata Atlântica cobrindo antigas dunas litorâneas com fauna e flora nativas. Aberta aos visitantes, oferece numerosas trilhas através de densas folhagens numerous nature paths through the dense foliage and some of the best vantage points in the region. É quase garantido você poder ver do alto dos penhascos golfinhos e tartarugas na maré alta, bem como abutres, macacos com topetes espigados nas árvores e outras criaturas.

O Santuário tem por objectivo estimular a valorização, compreensão e proteção das plantas e da fauna selvagem do litoral do Nordeste. É participante do projeto TAMAR que visa preservar 5 diferentes espécies de tartarugas marinhas ameaçadas de extinção no Brasil, acompanhando a desova de seus ovos, ao longo das praias de Cacimbinhas e Sibaúma.

Informação aos Visitantes

Antes de partir, o visitante deve confirmar as condições da pista escolhida, quanto à limpeza semanal e poda. Pedimos a colaboração de todos para ajudar a manter a harmonia ecológica da área e minimizar os riscos de acidentes, por favor, respeitem a vegetação do parque e os animais e observem o Código de Conduta do Parque:

  • Use roupa apropriada.
  • Não são permitidos animais.
  • Evitar incêndios.
  • Respeitar limites e entradas, observando cercas e portões.
  • Permaneça nas trilhas.
  • Utilize as latas de lixo.
  • Mantenha as fontes de água sem contaminação.
  • Tenha cuidado nas trilhas para evitar acidentes.
  • Siga as guias de instruções

Trilhas Principais

TRILHA DO PÁSSARO JACÚ(200 m) – GRAU 2 – Trilha iluminada pelo e com brisa, permite ir ao ponto mais alto da Chácara do Madeiro, 80m acima do nível do mar.

BOA TRILHA CONSTRITORA (340 m) – GRAU 3 – Trilha tortuosa que nos leva ao ponto mais remoto do parque e, em seguida, sobe para um emocionante pico.

PASSAGEM PREFERIDA DAS MOÇAS (400 m) – GRAU 3 – Encantadoras paisagens podem ser vistas através do túnel natural onde os caminhantes tem a oportunidade de “brincar de esconde-esconde” com o mar.

ESCADA DO VELHO CASTELO (90 m) – GRAU 4 – Para um revigorante bater de ondas, essa escada desce a partir da Toca da Caipora até a ensolarada pequena praia abaixo, onde vê-se com freqüência barcos de passeio e golfinhos.

ÁRVORE DE PEROBA (300 m) – GRAU 1 – Charmosa trilha que permite o contorno dos penhascos da Ponta do Madeiro, aproveitando vistas exuberantes – para o sul, para o norte.

TRILHAS DOS PIRATAS (100 m) – GRAU 4 – Inclui a emocionante escadaria de corda que conduz à Baía do Madeiro, para um perfeito mergulho no mar.

PASSAGEM DO TATÚ (150 m) – GRAU 3 – Trata-se de um caminho que faz com que os visitantes retornem à entrada. Uma suave rampa evita o contato com a estrada utilizada pelos carros.

Outras Trilhas

Trilha do Chorró (100 m) – Grau 2 – Pequeno “aperitivo” que tira os visitantes da “sala de espera” para o início da trilha, como um teste de condicionamento físico para longas caminhadas.

Vôo dos Vagalumes (200 m) – GRAU 2 – Trilha em Ziguezague em homenagem aos brilhantes insetos que encantam as noites escuras de inverno. Termina na escada de Maracajá.

Descida do Maracajá (90 m) – GRAU 4 – Íngreme trilha que desce do mágico Mirante da Meia-Lua para o Espelho da Lua Cheia.

Trilha dos camaleões (600 m) – GRAU 4 – Como o nome sugere, essa é uma trilha com incríveis variações de cores, climas, vistas e outros pontos de interesse.

Trilha Aventura (150 m) – GRAU 1 – Para as crianças. Cheia de surpresas. Pegue nosso panfleto especial para participar dessa atividade engraçada.

[Fonte: Pipa Brazil]

[Turismo] Rio do Fogo / RN

Rio do Fogo está entre as praias menos exploradas do litoral Norte potiguar. O que não significa que a cidade não tenha atrativos. São lagoas, parrachos, mata preservada, falésias, dunas e tranquilidade de sobra. O clima de vila de pescadores ainda persiste, apesar de o município já somar cerca de dez mil habitantes.

Um dos mais belos cenários é a Barra de Punaú, ponto de encontro do rio com mar e perfeito para apreciar o pôr do sol. As águas escuras do riacho dividem as praias de Zumbi – selvagem e colorida por conta dos barquinhos de pesca – e de Pititinga. Protegidas e com piscinas naturais, ambas são procuradas para a prática de mergulho, vela e canoagem. Já na praia que dá nome à cidade, o destaque é a lagoa do Fogo.

O passeio completo pela região deve incluir caminhadas rumo às aldeias de pescadores. Nas vilas, observa-se a riqueza do artesanato local, com delicadas peças em renda labirinto. Aproveite para saborear os frutos do mar fresquinhos, acompanhados por comida caseira.

[Fonte: Férias Brasil]

[Turismo] Descoberta do Rio Grande / RN

Tibau do Sul - RN

Siga a rota das maravilhas potiguares, caminhos de belezas sem fim. Praias semi-desertas, lagoas de águas transparentes, um deserto de dunas à beira-mar, salinas e painéis de pintura rupestre. Tudo isso está neste simpático estado acostumado a receber muito bem o turista de todas as partes do mundo.

Começando por Natal, a beleza das praias e do povo sorridente já encanta. A primeira parada é a mundialmente famosa Praia de Pipa. Voltando para a capital, o viajante passeia de balsa pela Lagoa de Guaraíras e visita o maior cajueiro do mundo, em Pirangi. Na Praia de Pitangui e município de Galinhos, o destaque fica para os minúsculos peixes-galos, visíveis nas águas cristalinas do mar, e pelas pirâmides formadas pelas salinas naturais. Os painéis de pinturas rupestres de Apodi, no Lajedo de Soledade são impressionantes. Destaque especial para os muitos restaurantes e as inúmeras delícias da cozinha do Rio Grande do Norte.

[Turismo] Conheça as Maravilhas de Natal / RN

Tibau do Sul e Pipa – RN

Tibau do Sul - RN

Uma pacata vila de pescadores, a pouco mais de 80 quilômetros de Natal, passou séculos despercebida no mapa. Nos final dos anos 70, porém, os surfistas descobriram as ondas de Pipa e colocaram o povoado na rota dos turistas nacionais e estrangeiros. De lá pra cá, a então rústica praia e o povoado vizinho – Tibau do Sul, que fica a apenas oito quilômetros -, ganharam pousadas aconchegantes, restaurantes com sotaques diversos e bares que fazem a vida noturna de Pipa pulsar forte não só na alta temporada.

O cenário privilegiado – emoldurado por falésias gigantescas – abriga praias para todos os gostos: com e sem ondas, com e sem agito, com e sem barraca, com e sem pessoas… A beleza, que reúne águas transparentes e areia fofa e branquinha, porém, é marca registrada em todas elas, em especial na chamada Baía dos Golfinhos, formada por Madeiros e Curral, onde os mamíferos costumam dar o ar da graça de manhã e à tardinha. Já na praia dos Amores, uma das mais concorridas da região, o astral dos frequentadores faz a fama do local.

Algumas praias são acessíveis a pé. Outras, exigem fazer um passeio de bugue ou de barco – é o caso de Guaraíras, em Tibau do Sul; e da selvagem Sagi, na vila de Baía Formosa. Nos tours marítimos, com sorte, o bônus pode ser nadar ao lado dos golfinhos. Já sobre quadro rodas, chegar à divisa com o estado da Paraíba não é nada complicado. Em ambos os percursos, as paradas para saborear os frutos do mar da região são obrigatórias.

De volta à Pipa, basta dar uma cochilada para recuperar as energias e curtir a noite depois de um jantar caprichado nos bons restaurantes da vila. A ocasião pede um modelito informal, afinal, a esticada será ao som de forró, MPB, música eletrônica, samba, reggae…

[Fonte: Férias Brasil]